TRE age como cúmplice no caso Empreender

Jamais me iludi! O voto, acanhado e sem convicção do Desembargador, José Ricardo Porto, na noite de ontem (11) é apenas parte de um cenário que coloca o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba como uma espécie de cúmplice no caso Empreender Paraíba.

Francamente, não acho que o relator mereça ser “crucificado” por considerar “normal” contratar uma multidão de codificados às vésperas das eleições, tampouco por enxergar com benevolência a distribuição de R$ 31 milhões em empréstimos a perder de vista. Jamais esperei outra coisa de uma Corte que espera um governador terminar seu mandato para julgá-lo por conduta vedada e abuso e Poder. Ao deixar o processo mudar de mão 6 vezes, TODA a Corte Eleitoral acobertou qualquer ato que tivesse comprometido as eleições de 2014.

Entenda o leitor que chegou a se pedir a suspensão do programa Empreender Paraíba durante as eleições, mas o TRE ignorou o potencial deste programa de crédito e deixou tudo correr frouxo.

Mesmo após o pedido de vista e a multa de R$ 50 mil para o ex-governador, o TRE só corrobora a tese daqueles, entre os quais me incluo, que defendem a extinção da Justiça Eleitoral.

Como diabos a mesma Corte é capaz de manter o ex-prefeito de Bayeux, inelegível por contratar meia dúzia de gatos pingados em período vedado e colocar panos quentes em situação semelhante no governo do Estado, mas em número bem maior?

A mim o TRE nunca convenceu!

Faço esta crítica como eleitor e contribuinte que considera lamentável o serviço prestado a comunidade por estes servidores públicos, sejam eles autoridades ou não estão sempre passíveis de críticas.

1 comentário em “TRE age como cúmplice no caso Empreender

  1. Mesmo sendo uma vergonha essa decisão do TRE, uma coisa tem de positivo em tudo isso, é que o TRE vem se tornando cada vez mais uma grande escola de teatro e fortalecendo a tese de que o que lá prevalece é o jeitinho brasileiro e não a lei.

Deixe uma resposta